Em queda e sem brasileiros nas pistas, F1 pode perder Galvão Bueno

0

Desde a estreia de Emerson Fittipaldi na F1, com a Lotus, no dia 18 de julho de 1970, no GP da Grã-Bretanha, o Brasil sempre teve pelo menos um representante na F1.

No GP da Austrália de 2018, o primeiro da próxima temporada, será a primeira vez que o país não terá piloto no grid desde então, portanto há 48 anos ininterruptos.

Há quase cinco décadas a TV não via isso acontecer. E a ‘novidade’ preocupa.

A F1 vem enfrentando queda de audiência e perdendo espaço e importância na Globo ano a ano. Os treinos quase não são mais exibidos. As corridas não são todas narradas in loco. A Globo cortou viagens e regalias do time de Galvão Bueno.

Mas, mesmo com a perda de plateia desde a morte de Ayrton Senna (1994), a F1 nunca tinha ficado sem representantes brasileiros. 2018 será a primeira vez em muito tempo.

Nesses 48 anos, os pilotos brasileiros conquistaram oito títulos mundiais, 2 com Emerson, 3 com Nelson Piquet e 3 com Ayrton Senna.

A temporada 2017 chegou ao fim com audiência na casa dos 9 pontos. Em 2000, já sem Ayrton, a F1 marcou 17 pontos. O interesse da audiência pelo competição de automobilismo praticamente caiu pela metade. Uma perda de 47% neste período.

Sendo assim, Galvão Bueno, dono de um dos maiores salários da TV brasileira (cerca de R$ 5 milhões mensais), já se prepara para se afastar de vez das narrações da F1. Esse processo já foi iniciado. Galvão já não narra mais todas as corridas como antes.

VEJA MAIS…

http://r7.com/d4vp